top of page

Pílulas Literárias #46 - Natureza

A natureza é uma fonte de ensinamentos que no nosso egoísmo teimamos em não enxergar. Tomemos como exemplo os pássaros, as flores e os frutos. O beija flor suga o néctar, mas não destrói a flor, que continua no seu ciclo. Os que se alimentam de frutos esperam que este amadureça para alimentar-se deles. Os que ainda estão em processo de desenvolvimento permanecem. Quando assim o fazem, semeiam a natureza com novas fontes de alimento para as novas gerações.


Na usura dos tempos modernos, não damos tempo à maturação, colhemos os frutos verdes, cuja perda supera em muito a sua utilização. Assim como nos frutos, não esperamos sedimentar nossas ideias. Queremos vê-las realizadas a qualquer custo, não importa como. O eu predomina sobre a coletividade. É fundamental exercermos o EU sobre o TU na relação individual, porém, quando em sociedade, o eu dilui-se no NÓS.


Amadurecer nossa convivência e permitir uma colheita que alimente toda a sociedade e permita com que semeie seus propósitos para novas gerações.

Viver somente dentro do dos seus objetivos e isolar-se do nós é viver no lado escuro da sociedade.





5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Pílulas Literárias #246 - Prazer

As palavras vão tomando novos sentidos, com o passar dos anos, dos séculos. Um exemplo é a palavra Prazer, que, na sua origem latina “Placere”, remetia-se a: “aceito”, “querido”, que, por sua vez, es

Pílulas Literárias #245 - Encontro

Existem duas formas distintas e antagônicas no sentido da palavra encontro. Se usamos como direcionamento, a preposição "a", acrescida do artigo "o" , ou seja, "ao encontro", não existem barreiras que

Pílulas Literárias #244 - Conversa

Nada é mais salutar do que uma conversa aberta, em campo neutro. O antigo papa de botequim, sem hora marcada, sem tempo definido, quantas arestas foram quebradas, não pelos valores etílicos e, sim, po

Comments


bottom of page