top of page
  • José Leonídio

Pílulas Literárias #71 - Indiferença

Muitos confundem ser indiferente a uma determinada questão a estar no limbo.

Quando somos indiferentes é porque o tema em questão não oferece motivação racional ou atrativa para uma análise ou aplicação.


Estar no limbo (margem, reborda) está associado à indecisão, a algo ainda não definido, sobre o qual temos dúvidas.


Na indiferença, não mergulhamos no âmago da questão. No limbo, vamos ao abissal das nossas memórias a procura de uma resposta, de uma luz, um indicativo na decisão a tomar.


Estar no limbo é estar presente. Ser indiferente é não ser sensibilizado para o que se propõe ou discute.


No primeiro, somos adsorvidos da indiferença, ficamos à parte , ao largo, decidem por nós; no segundo, no limbo, somos parte ativa do processo, do precisamos de um tempo para tomarmos a decisão correta.




2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Pílulas Literárias #246 - Prazer

As palavras vão tomando novos sentidos, com o passar dos anos, dos séculos. Um exemplo é a palavra Prazer, que, na sua origem latina “Placere”, remetia-se a: “aceito”, “querido”, que, por sua vez, es

Pílulas Literárias #245 - Encontro

Existem duas formas distintas e antagônicas no sentido da palavra encontro. Se usamos como direcionamento, a preposição "a", acrescida do artigo "o" , ou seja, "ao encontro", não existem barreiras que

Pílulas Literárias #244 - Conversa

Nada é mais salutar do que uma conversa aberta, em campo neutro. O antigo papa de botequim, sem hora marcada, sem tempo definido, quantas arestas foram quebradas, não pelos valores etílicos e, sim, po

Comments


bottom of page