top of page
  • José Leonídio

Pílulas Literárias #69 - Sejamos ingênuos


Você é muito ingênuo, expressão que ouvi ao longo da minha caminhada por considerar que todos merecem credibilidade até que se prove o contrário. Na sua origem, ingênuo é formado pelo prefixo in, que se remete ao nosso interior e genus, ancestralidade, raça, ou, se voltarmos mais no tempo, dar a luz.


Uma pessoa ingênua, então, é aquela pura de sentimentos, o seu por dentro crê, acredita no ser humano. A distorção na relação social no homo sapiens permite que por objetivos outros maus atores na vida tentem impor seus conceitos canhestros naqueles cuja maldade não lhes invadiu.


Daí surge a possibilidade da exploração do ser pelo ser. A sociedade está contaminada pelas ações do por fora, que aparentemente aos nossos olhos são verdadeiras, no entanto, é fumaça de mago, que se esconde e deixa ver somente o que quer que seja visto.


Ser ingênuo não é ser idiota no sentido verdadeiro da palavra, é continuar acreditando no ser humano, que cada vez mais está desacreditado.





2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Pílulas Literárias #246 - Prazer

As palavras vão tomando novos sentidos, com o passar dos anos, dos séculos. Um exemplo é a palavra Prazer, que, na sua origem latina “Placere”, remetia-se a: “aceito”, “querido”, que, por sua vez, es

Pílulas Literárias #245 - Encontro

Existem duas formas distintas e antagônicas no sentido da palavra encontro. Se usamos como direcionamento, a preposição "a", acrescida do artigo "o" , ou seja, "ao encontro", não existem barreiras que

Pílulas Literárias #244 - Conversa

Nada é mais salutar do que uma conversa aberta, em campo neutro. O antigo papa de botequim, sem hora marcada, sem tempo definido, quantas arestas foram quebradas, não pelos valores etílicos e, sim, po

Comments


bottom of page