top of page
  • José Leonídio

Pílulas Literárias #54 - Abrir caminhos

Abrir caminhos é uma expressão que acostumamos a ouvir desde a infância.


Quantas vezes ouvi que quando crescesse abriria meus próprios caminhos, que a estrada da vida era uma reta, porém cada um criaria o atalho que o levaria às suas conquistas, seu crescimento externo e interno?


Quando ouvia essa expressão vinha a imagem de uma foice nas minhas mãos e ceifando a vegetação cerrada a minha frente mas por mais que fizesse não havia clareiras, somente a floresta fechada.


Aos poucos, na medida em que cresci, comecei a perceber que somos nós que construímos nossos refúgios.


Não se abre um caminho por abrir, temos sempre um objetivo, não importa qual seja, temos que segui-lo até o fim, senão nunca concluiremos o que nos propusemos a fazer.


Não se abrem dois caminhos ao mesmo tempo, porque estaremos próximo a não concluir nenhum dos dois.


Em seguida abriremos outros, que também ficarão sem término. Quando olharmos para trás não chegamos a lugar algum: abrimos clareiras dentro de nós, com caminhos que não nos levam a lugar algum, se encerram a dois passos de nossas densas florestas.




1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Pílulas Literárias #246 - Prazer

As palavras vão tomando novos sentidos, com o passar dos anos, dos séculos. Um exemplo é a palavra Prazer, que, na sua origem latina “Placere”, remetia-se a: “aceito”, “querido”, que, por sua vez, es

Pílulas Literárias #245 - Encontro

Existem duas formas distintas e antagônicas no sentido da palavra encontro. Se usamos como direcionamento, a preposição "a", acrescida do artigo "o" , ou seja, "ao encontro", não existem barreiras que

Pílulas Literárias #244 - Conversa

Nada é mais salutar do que uma conversa aberta, em campo neutro. O antigo papa de botequim, sem hora marcada, sem tempo definido, quantas arestas foram quebradas, não pelos valores etílicos e, sim, po

Comments


bottom of page