top of page
  • José Leonídio

Pílulas Literárias #49 - O silêncio

Há mais de mil e quinhentos anos, Confúcio dizia que " O silêncio é um amigo que nunca trai".


No silêncio mergulha-se para dentro de si mesmo; encontram-se erros e acertos das verdades de cada um, por mais duras que sejam.


Não existe conselheiro melhor do que o silêncio, porque é quando se toma ciência de si mesmo, traçam-se novos rumos, que nortearão suas condutas baseado na experiências passadas.


O silêncio é conselheiro e a mão da sua verdade pousada em seus ombros. É o crítico sem que precise falar.


Nos ajuda nas decisões que tomamos, sem que diga "vai por mim", porque são respostas que surgem na ausência das palavras, emergem da solidão do oceano do silêncio.




2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Pílulas Literárias #246 - Prazer

As palavras vão tomando novos sentidos, com o passar dos anos, dos séculos. Um exemplo é a palavra Prazer, que, na sua origem latina “Placere”, remetia-se a: “aceito”, “querido”, que, por sua vez, es

Pílulas Literárias #245 - Encontro

Existem duas formas distintas e antagônicas no sentido da palavra encontro. Se usamos como direcionamento, a preposição "a", acrescida do artigo "o" , ou seja, "ao encontro", não existem barreiras que

Pílulas Literárias #244 - Conversa

Nada é mais salutar do que uma conversa aberta, em campo neutro. O antigo papa de botequim, sem hora marcada, sem tempo definido, quantas arestas foram quebradas, não pelos valores etílicos e, sim, po

Comentários


bottom of page