top of page
  • José Leonídio

Pílulas Literárias #221 - Sonhos

Sonhos, o quanto sonhamos enquanto dormimos? Sonhos bons, ruins, revelaores, solucionadores.


Se pudéssemos ter acesso a esse arquivo de sonhos, apagar os indesejáveis e resgatar aquele que tanto nos agradam, que nos ajudam a compreender certas situações. Não conseguimos plugar essa caixinha e guardar num HD externo essas visões que são únicas.


Sonhar acordado, isso refazemos a cada instante, mas o sonho verdadeiro, do qual somos apenas espectadores este é só lembrança, quando assim é possível.

Alguns fecham-se tanto em si mesmo que nem nos permitem ter os sonhos oníricos.


Sonhar não custa nada, sonhar dormindo, menos ainda. Transformar nossos sonhos, frutos do nosso inconsciente, em realidade não é impossível, depende de que possamos entender suas mensagens, decodificá-las e utilizarmos na solução dos nossos problemas do dia a dia. Acredite: não podemos resgatá-los, mas podemos aplicar seus ensinamentos em nossas vivências.

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Pílulas Literárias #246 - Prazer

As palavras vão tomando novos sentidos, com o passar dos anos, dos séculos. Um exemplo é a palavra Prazer, que, na sua origem latina “Placere”, remetia-se a: “aceito”, “querido”, que, por sua vez, es

Pílulas Literárias #245 - Encontro

Existem duas formas distintas e antagônicas no sentido da palavra encontro. Se usamos como direcionamento, a preposição "a", acrescida do artigo "o" , ou seja, "ao encontro", não existem barreiras que

Pílulas Literárias #244 - Conversa

Nada é mais salutar do que uma conversa aberta, em campo neutro. O antigo papa de botequim, sem hora marcada, sem tempo definido, quantas arestas foram quebradas, não pelos valores etílicos e, sim, po

Comments


bottom of page