top of page
  • José Leonídio

Pílulas Literárias #171 - Presente

Com um talo de mamona, transformado em canudo e caneca de alumínio, uma criança lança bolinhas de sabão no ar, sorrindo ao vê-las ficarem irizadas pelos raios de sol da tarde.


Naquele momento entendi que não necessitamos de muita coisa para sermos felizes. O pouco pode ser muito e nos realizar.


Um sorriso, um abraço, uma palavra, ou mesmo o silêncio, talvez seja, naquele instante, o maior presente de nossa vida.


Não é necessário comprar o reconhecimento de quem temos estima, dando em troca presentes caros;


Só em nos lembrarmos de alguém a quem queremos bem, despertaremos neste o mesmo sorriso da criança com suas bolinhas de sabão. A energia transmitida será a luz, que fará brilhar os olhos de quem nada quer nestes dias do que ser lembrado.


Que nós mesmos sejamos o presente com nossa presença, seja de que forma for.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Pílulas Literárias #246 - Prazer

As palavras vão tomando novos sentidos, com o passar dos anos, dos séculos. Um exemplo é a palavra Prazer, que, na sua origem latina “Placere”, remetia-se a: “aceito”, “querido”, que, por sua vez, es

Pílulas Literárias #245 - Encontro

Existem duas formas distintas e antagônicas no sentido da palavra encontro. Se usamos como direcionamento, a preposição "a", acrescida do artigo "o" , ou seja, "ao encontro", não existem barreiras que

Pílulas Literárias #244 - Conversa

Nada é mais salutar do que uma conversa aberta, em campo neutro. O antigo papa de botequim, sem hora marcada, sem tempo definido, quantas arestas foram quebradas, não pelos valores etílicos e, sim, po

Comments


bottom of page