top of page
  • José Leonídio

Pílulas Literárias #162 - Diplomas

Diplomas, certificados espalhados na parede fria mostram a cultura de quem os postou para satisfazer a curiosidade de quem os contempla.


O que deixas para a posteridade, afora os papéis amarelecidos pelos anos, que se desintegrarão com o esquecimento de sua passagem terrena?


Nada, porque o que mais importa é o que ficará registrado nas linhas inapagáveis do tempo. Escreva tuas obras, emita seus conceitos e viverás eternamente, porque o que pensamos e escrevemos nada, nem ninguém, apagará.


Assim como as condecorações e as comendas, os papéis são efêmeros, só têm valor quando os ostenta, nada mais.


Suas obras, não! Estas serão seguidas na linha da existência do homo sapiens.


Não se vanglorie dos títulos, diplomas e certificados que enchem malas; orgulhe-se, sim, das obras que deixarás com sua firma.


Não importa qual sua área de conhecimento porque estas serão sempre imortais.

Os diplomas, certificados e títulos são a empáfia.


As obras são humildade de quem divide o que está dentro de si com todos.

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Pílulas Literárias #246 - Prazer

As palavras vão tomando novos sentidos, com o passar dos anos, dos séculos. Um exemplo é a palavra Prazer, que, na sua origem latina “Placere”, remetia-se a: “aceito”, “querido”, que, por sua vez, es

Pílulas Literárias #245 - Encontro

Existem duas formas distintas e antagônicas no sentido da palavra encontro. Se usamos como direcionamento, a preposição "a", acrescida do artigo "o" , ou seja, "ao encontro", não existem barreiras que

Pílulas Literárias #244 - Conversa

Nada é mais salutar do que uma conversa aberta, em campo neutro. O antigo papa de botequim, sem hora marcada, sem tempo definido, quantas arestas foram quebradas, não pelos valores etílicos e, sim, po

Komentarze


bottom of page