top of page
  • José Leonídio

Pílulas Literárias #136 - O Futuro, ao Futuro Pertence?

(Parte 1)


Sete horas da manhã. Caminho pela estrada de barro que teimosamente tangencia o mar. Corujas buraqueiras seguem-me de um lado ao outro, tomando conta do ninho delas. Uma pomba rola solitária, pousada em um mandacaru da praia, desconfia da minha presença. Quero-queros nervosos dão voos rasantes, mostrando descontentamento.

O sol teima em sair detrás das nuvens. O silêncio só não é total porque as ondas de uma forma ritmada esboroam a areia branca.


A praia é um longo areal que termina nas espumas que as decoram, de uma forma diferente a cada momento.


Um bom dia atravessa meu silêncio, respondo com um sorriso: é um companheiro anônimo que também procura a solidão da manhã para interagir corpo e mente.


Sinais de uma sociedade pouco civilizada surgem de todos os lados. Copos, garrafas de plástico e de vidro, largadas por onde passam.


Restos de uma fogueira ─ com certeza de um luau ─ erguida próximo da vegetação rasteira, mostrava que o fogo se propagou, queimando uma grande extensão. A fumaça ainda saia dos troncos em brasa, era a grande prova.


De que adianta uma educação onde o saber ler e escrever, resolver complexas equações das ciências exatas de nada serve, quando o grande problema que se nos apresenta, independe dos anos de estudo, porque tem a ver com nossa sensibilidade em enxergar a natureza, como a continuidade da nossa casa, dos valores de preservação das nossas famílias?







0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Pílulas Literárias #246 - Prazer

As palavras vão tomando novos sentidos, com o passar dos anos, dos séculos. Um exemplo é a palavra Prazer, que, na sua origem latina “Placere”, remetia-se a: “aceito”, “querido”, que, por sua vez, es

Pílulas Literárias #245 - Encontro

Existem duas formas distintas e antagônicas no sentido da palavra encontro. Se usamos como direcionamento, a preposição "a", acrescida do artigo "o" , ou seja, "ao encontro", não existem barreiras que

Pílulas Literárias #244 - Conversa

Nada é mais salutar do que uma conversa aberta, em campo neutro. O antigo papa de botequim, sem hora marcada, sem tempo definido, quantas arestas foram quebradas, não pelos valores etílicos e, sim, po

コメント


bottom of page