top of page
  • José Leonídio

Pílulas Literárias #113 - A beleza no amor

Contemplamos um fruto crescer e amadurecer numa árvore até que um dia um pássaro se alimenta dele ou nós o colhemos para saboreá-lo.


Terminou ali a existência dele?


Não! Ali era somente a casca com seu doce conteúdo. O mais importante não foi consumido, a semente.


A sua doçura e beleza nas cores era só aparência, porque a continuidade daquela espécie estava assegurada e nós fomos somente os agentes de sua disseminação.


Assim é a vida: o belo é a atração para sua continuidade.


A beleza na acepção da palavra é individual e, convite para a nossa continuidade.

O amor é belo porque é imortal. Somos o que somos e seremos porque somos o fruto destas quatro letras, AMOR.

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Pílulas Literárias #246 - Prazer

As palavras vão tomando novos sentidos, com o passar dos anos, dos séculos. Um exemplo é a palavra Prazer, que, na sua origem latina “Placere”, remetia-se a: “aceito”, “querido”, que, por sua vez, es

Pílulas Literárias #245 - Encontro

Existem duas formas distintas e antagônicas no sentido da palavra encontro. Se usamos como direcionamento, a preposição "a", acrescida do artigo "o" , ou seja, "ao encontro", não existem barreiras que

Pílulas Literárias #244 - Conversa

Nada é mais salutar do que uma conversa aberta, em campo neutro. O antigo papa de botequim, sem hora marcada, sem tempo definido, quantas arestas foram quebradas, não pelos valores etílicos e, sim, po

Commentaires


bottom of page